quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Laboratório da Cosmoética

É o ambiente criado tecnicamente, e preparado para propiciar o estudo da moral universal em experimentos de 1h e 30min.

Dentre as variáveis para a avaliação da cosmoética de uma consciência através da técnica, podem ser incluídas a intenção pessoal nas ações, a qualidade dos pensamentos e sentimentos e a energia manifestada, o nível de manifestação multidimensional, o nível de verbação (a palavra e as ações), incorruptibilidade e autocoerência nas ações e as reações das consciências envolvidas.


http://www.ceaec.org/Portuguese/Laboratories/Cosmoethics.asp

Definição. Segundo Vieira (2004), a “Cosmoética (cosmo + ética) é a especialidade da Conscienciologia aplicada ao estudo da ética ou reflexão sobre a moral cósmica, multidimensional, definindo a holomaturidade consciencial, situada além da moral social, intrafísica ou aquela presentada sob qualquer rótulo humano, ao modo de discernimento máximo, moral e emocional, a partir da intimidade do microuniverso de cada consciência”.


"Existe um conceito chamado cosmoética, um sistema de regras e valores que prioriza o universal."

"A cosmoética é um desdobramento da conscienciologia, que propõe uma aceleração da evolução humana, por meio do auto-conhecimento e do equilíbrio energético."

Veja a lista dos “mandamentos” da cosmoética:

• Assumir seus próprios defeitos e se esforçar para corrigí-los;
• Ajudar ao próximo ao invés de competir com ele;
• Desenvolver hábitos saudáveis, como leitura, lazer e atividades físicas;
• Abandonar os vícios;
• Ser responsável por sua própria vida;
• Aprender coisas novas;
• Refletir e questionar sempre.

Num primeiro momento pode até parecer papo de auto-ajuda, mas, releia a lista e note o quão verdadeiras e importantes, apesar de simples, são essas “dicas”.

por Por Gabriela Guenther (http://verdedentro.wordpress.com/2009/07/20/rumo-a-cosmoetica/)


"A TEÁTICA DA COSMOÉTICA RESULTA NO RESPEITO AOS DIREITOS CONSCIENCIAIS
E ABRE AS PORTAS PARA A VIVÊNCIA DA INTER-ASSISTENCIALIDADE ATACADISTA POLICÁRMICA."

"A PESQUISA DA COSMOÉTICA TEM INÍCIO NO ESTUDO DA AUTO -INCORRUPTIBILIDADE. A INCORRUPTIBILIDADE PESSOAL DEPENDE DA AUTOCRÍTICA. EXEMPLO DE LIMITADOR DA AUTOCRÍTICA É A IGNORÂNCIA."

Colégio invisível da cosmoética – virtual ethos

Laboratório do Acoplamentarium

Definição. O acoplamentarium é a base intrafísica ou laboratório multidimensional, assentado nas premissas do paradigma consciencial, tecnicamente preparado para potencializar as manifestações holossomáticas e os atributos conscienciais, principalmente o parapsiquismo, por intermédio da técnica do acoplamento energético.
Sinonímia:
  • Laboratório de interfusão energética.
  • Base intrafísica para o acoplamento energético.
  • Base técnica do acoplamentista.
Antonímia:
  • Ambiente de incompatibilidade energética.
  • Base técnica do projetor lúcido; projetarium.
  • Base técnica do tenepessista.
  • Antiacoplamentos energéticos.
Neologística. O termo acoplamentarium é neologismo técnico da Energossomática.
Objeto. Ao exteriorizar o fluxo de energias conscienciais, de modo autoconsciente, sob a impulsão da autodeterminação, a consciência materializa, igual a objeto concreto, a própria vontade. É o ato da concretude da volição pessoal. Tal ato é o maior fixador da autoconfiança. A vontade, nesse contexto, é novo instrumento, ferramenta ou membro maleável e prático para a conscin. O único problema, aqui, é a qualificação da natureza da intencionalidade.
Pioneiro. Sob a ótica da Paratecnologia, o acoplamentarium do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC) é o primeiro laboratório técnico, especializado, inédito e pioneiro nos acoplamentos energéticos, interconscienciais, práticos, construído de modo específico. Começou a funcionar, grupalmente, na Terra, em 2003, sob a direção de epicon, homem ou mulher.
Especificações. Eis, resumidas em 10 itens e dispostas na ordem funcional, as especificações básicas do acoplamentarium:
  1. Pesquisas. O laboratório do acoplamentarium reúne as autopesquisas com as heteropesquisas, dentro das vivências pessoais e das vivências grupais do parapsiquismo desenvolvido em conjunto. Pode ajudar sobremodo na assistência cosmoética às consréus ressomadas.
  2. Consenso. O acoplamentarium permite estabelecer o consenso imediato sobre determi
  3. nado fenômeno extrafísico ou parafato. Depois de 100 consensos, começam a serem constituídos os princípios, além das hipóteses de tentativas e das teorias rudimentares, segundo o paradigma consciencial embasando a Conscienciologia.
  4. Isolamento. O isolamento da edificação do acoplamentarium proporciona aos experimentadores a anulação de interferências externas, em ambiente de silêncio próximo à Natureza. Além das energias imanentes, a Natureza oferece, de modo direto, as fontes do geoectoplasma, fitoectoplasma e zooectoplasma aproveitados para potencializar o desenvolvimento das práticas energéticas em grupo.
  5. Ambiente. No laboratório é feito o controle da temperatura, da umidade do ar e da luminosidade. A temperatura de 18 graus Celsius e o ambiente levemente obscurecido são condições facilitadoras da instalação, manutenção e desenvolvimento do campo energético, favorecendo as emissões de ectoplasma por parte das conscins.
  6. Anfiteatro. O anfiteatro, a forma característica do laboratório do acoplamentarium, com piso em rampa e emborrachado, possibilita a visualização do epicon, do coadjutor e dos outros participantes dos experimentos, e vice-versa.
  7. Recursos. Os objetos e as características do espaço físico determinados pela necessidade da técnica do acoplamento energético, elimina o dispensável ou as interferências negativas em relação à acuidade e ao desempenho dos experimentadores. Por exemplo, o aparelho de ar-condicionado mais silencioso facilita os diálogos e os esclarecimentos ocorridos entre os transes dos acoplamentos energéticos.
  8. Integração. Integrado ao campus de autopesquisas da consciência do CEAEC, o acoplamentarium faculta o contexto multidimensional favorável, otimizador, acolhedor e potencializador das experimentações parapsíquicas.
  9. Cadeiras. As cadeiras, por exemplo, foram tecnicamente posicionadas para garantir a visão do rosto do epicon ou do coadjutor a partir de todas as localizações ou posições dos assistentes no laboratório. As cadeiras estão fixadas para evitar mudanças e permitir maior segurança aos participantes ao se movimentarem.
  10. Banheiros. Os banheiros anexos evitam as saídas do laboratório e conseqüentes comprometimentos ou interferências externas nos experimentos.
  11. Participantes. O experimento no acoplamentarium é desenvolvido com até 63 participantes, incluindo o epicon, os monitores, o redator das experimentações, os doadores de energias, na condição de alunos, e o coadjutor, homem ou mulher, sentado na parte central do laboratório, durante a experimentação. O revezamento dos coadjutores proporciona a participação direta da maioria dos participantes durante as experimentações.
Antiacoplamentos. Eis, em ordem alfabética, na qualidade de exemplos a serem evitados, 12 posturas antiacoplamentares capazes de interferir no campo energético:
  1. Adormecimentos: o ato de dormir durante os experimentos.
  2. Adrenalina: o mais inteligente é trocar a adrenalina pela ectoplasmia. No acoplamentarium todos somos assistentes e assistidos.
  3. Antagonismos: o mau hábito de estabelecer metas pessoais diversas das propostas pelo experimento, atuando de modo antagônico às práticas em andamento. O desenvolvimento do parapsiquismo é dinamizado quando pensamos em ajudar os outros.
  4. Antecipações: a postura de tentar intimamente antecipar a programação das ocorrências. No acoplamentarium, grupal, é necessário cortar todo autopensene egocêntrico.
  5. Apriorismos: manter preconceitos ou idéias preconcebidas sobre os fenômenos.
  6. Autodefesas: os mecanismos de defesa do ego, dentre outras conseqüências, dificultam a doação de energias conscienciais. Na manifestação parapsíquica é necessário o experimentador entregar-se, intimamente, à condição da passividade consciente ativa, não tendo medo de nada. Esta é a dificuldade maior dos acopladores energéticos novatos, homens e mulheres.
  7. Devaneios: os sonhos acordados deslocados e inconvenientes. O estudo da grupalidade potencializa quem quer se adaptar tecnicamente ao acoplamentarium.
  8. Emocionalidades: as alterações emocionais tais como euforia, medo, expectativa e ansiedade interferem na racional idade, comprometem as vivências lúcidas e a interpretação lógica dos parafatos.
  9. Parafisiologia: o despreparo fisiológico ou parafisiológico do participante menosprezando a prática do estado vibracional profilático. O participante hostil às energias do acoplamentarium pode ficar o tempo todo encapsulado ali.
  10. Pretensões: alimentar a pretensão de estabelecer o acoplamento energético com algum outro experimentador fora da condição de epicon naquele determinado momento.
  11. Roupas: o melhor é sempre evitar as roupas coloridas. O branco das vestes funde com o branco do laboratório facilitando as parapercepções relativas à dimener.
  12. Taquicardia: a ansiedade, a impulsividade e a precipitação perturbam a pacificação íntima ideal para a auto-análise das sensações e parapercepções e a análise do desenvolvimento dos fenômenos e parafatos.

EIS O PRINCÍPIO TEÁTICO, BÁSICO E INDISPENSÁVEL DA CONSCIENCIOLOGIA:
1 DIA DE VIVÊNCIA DIRETA, PRESENCIAL, PARTICIPATIVA, VALE POR 100 DIAS DE TEORIZAÇÕES DO MELHOR PESQUISADOR.

Histórias. Nunca foi redigida a história da vida normal das pessoas comuns, componentes da Humanidade. Só se registrou, até hoje, a história dos destroços e vestígios dos homens e das mulheres notáveis. Nunca foi escrita a história da vida multidimensional das conscins. Só se registrou, até hoje, a história da humanidade nesta dimensão quadridimensional. A verdadeira liberdade começa pela abertura das portas das parapercepções. Eis o emprego do acoplamentarium.

Laboratório da Auto-organização

O laboratório da auto-organização foi preparado objetivando a evolução consciente e envolve a organização do holossoma (todos os veículos de manifestação) dos pensamentos e emoções, ou sentimentos, e dos atributos conscienciais.

O pesquisador será capaz de fazer um autodiagnóstico das próprias deficiências, tendo em vista os objetivos que deseja atingir.

O experimento tem duração de 1h e 30min.

Definição. A autorganização é a condição de continuísmo ortopensênico para manutenção do equilíbrio dinâmico e evolutivo do microuniverso e conseqüente melhor produtividade consciencial.

Sinonímia: 1. Autocorreção; autodisciplina; disciplina pessoal. 2. Calculismo consciencial sadio; rotinas úteis. 3. Disciplina mental; ortopensenidade. 4. Higiene consciencial. 5. Predomínio de trafor. 6. Maturidade consciencial; maturidade evolutiva. 7. Priorologia.

Antonímia: 1. Autodesorganização. 2. Improviso. 3. Autocorrupção; patopensenidade. 4. Patorganização. 5. Desleixo. 6. Autômato humano; robéxis.

Ordem. O nível de autorganização da consciência reflete o nível de cosmoética ou ordem do microcosmo.

Maturidade. O aumento da autorganização ou diminuição da entropia nas manifestações da consciência é sinal de maturidade.

Parapsiquismo. Pela Parapercepciologia, o desenvolvimento do parapsiquismo com percepções avançadas de energias sutis depende da autorganização pensênica para diminuir o ruído interno.

Assistência. Segundo a Assistenciologia, cada consciência em evolução, conforme o momento, precisa de maior ou menor assistência em alguns dos processos abaixo:

  1. 01. Assistencial. Autorganização dos esforços assistenciais.
  2. 02. Consciencial. Autorganização da consciência.
  3. 03. Emocional. Autorganização das emoções.
  4. 04. Energética. Autorganização das energias.
  5. 05. Evolutiva. Autorganização da própria evolução.
  6. 06. Existencial. Autorganização da existência intrafísica.
  7. 07. Financeira. Autorganização das finanças pessoais.
  8. 08. Grupal. Autorganização convivencial ou interconsciencial.
  9. 09. Holossomática. Autorganização do holossoma.
  10. 10. Mental. Autorganização das idéias.
  11. 11. Pessoal. Autorganização dos assuntos pessoais.

http://pt.conscienciopedia.org/

Laboratório da Sinalética Energética

Ambiente destinado ao estudo da sinalética energética-anímico-parapsíquica, em experimentos de 1h e 30min.

Sinais. A sinalética energético-anímico-parapsíquica é um conjunto de sinais pessoais que permite a leitura dos fatos multidimensionais. As sinaléticas podem incluir: arrepios, zumbidos, pulsações nos chacras e também certas emoções e idéias. Para determinado experimentador, um zumbido, por exemplo, pode estar associado à entrada de uma consciex (consciência extrafísica) na própria psicosfera.
Autopesquisa. Para a identificação da sinalética pessoal e o mapeamento de seu significado, é necessário experimentação, observação, registro e análise das percepções multidimensionais (fonte: www.ceaec.org).
Aracê

É importante estar atento às ocorrências antes, durante e depois de uma determinada sensação, até que, com a repetição, seja possível obter uma conclusão sobre seu significado, caracterizando uma sinalética energética-anímico-parapsíquica.

No laboratório existem 12 técnicas que podem ser aplicadas para o estudo da sinalética energética-anímico-parapsíquica. Mediante uma destas técnicas, por exemplo, pode-se fazer a evocação lúcida do amparador e observar os efeitos resultantes do acoplamento, registrando após o experimento as percepções pessoais.



Sinalética parapsíquica

Origem: Conscienciopédia, a Enciclopédia Digital da Conscienciologia.

Definição. A sinalética parapsíquica é o conjunto de sinais evidenciadores de alterações energéticas multidimensionais específicas percebidos na pensenosfera (A pensenosfera é a estruturação concêntrica do holopensene pessoal gerada pela hierarquização da pensenidade diuturna e dependente da qualificação volitiva, intencional, energética e cognitiva) e manifestados no holossoma.

Sinonímia: 1. Alarme parapsíquico. 2. Despertador energético. 3. Firewall parapsíquico. 4. Sinalética energética.

(fonte: www.ceaec.org).







Laboratório da Dupla Evolutiva

Ambiente destinado ao estudo das inter-relações em uma dupla evolutiva, em experimento de 3h e 30min.

O objetivo principal do laboratório é o estudo da inter-relação entre duas pessoas que constituem um casal íntimo, objetivando a evolução conjunta, em que um apóia o outro.

A dupla evolutiva é básica para o desenvolvimento mais amplo da grupalidade, pois sem conseguir interagir bem com uma pessoa próxima, torna-se difícil desenvolver as interações de um grupo maior.

O laboratório está indicado para pessoas que já constituem duplas na busca de uma qualificação da mesma e também para aqueles que ainda não tem dupla, pois permite estudar o que impede sua formação ou o que é necessário para desenvolve-la.

Assim da mesma forma que os laboratórios anteriores, esse também é individual.

Dupla Evolutiva
Falar sobre relacionamento afetivo-sexual ainda gera tabu e possível desconforto. Na Sociedade, é comum determinarem-se os papéis a serem desempenhados na união a dois, com chavões e posturas tradicionais sobre o que é correto, “normal” para o homem ou para a mulher desempenhar. O quanto não agimos em consonância com esses padrões sem nos questionarmos se é o que queremos?

Desde a juventude, o desejo e a paixão se manifestam, inclusive biologicamente, na busca de um par, da “alma gêmea”. Até que ponto o “ficar” e o namoro são um momento fugaz ao invés de ser autodescoberta e autoconhecimento para o(a) jovem identificar e escolher seu (sua) parceiro(a) evolutivo(a)? Somos atraídos(as) apenas pelo apelo sexual? Ou existe algo mais? Muitas pessoas chegam à adultidade sem ainda haver encontrado seu parceiro de destino.

Segundo Waldo Vieira, sistematizador da Conscienciologia, “através da mídia patológica, as pessoas estão habituadas às paixões violentas e passageiras e não a relacionamentos sadios, que exigem concessões” (Vieira, Waldo; Manual da Dupla Evolutiva, 1999, p. 132). Falta-nos discernimento e compreensão de nossa afetividade, condição alcançável quando voluntariamente buscamos a maturidade pessoal, por meio da autopesquisa, geradora de autoconhecimento, para harmonizar o relacionamento a dois.

A Técnica da Dupla Evolutiva permite o desenvolvimento do autopesquisador a partir de suas experiências na vida cotidiana, principal laboratório de aprendizagem evolutiva. Qualquer pessoa automotivada tem potencial para ser na prática, pesquisadora de si própria, agilizar conscientemente sua evolução e realizar gestações conscienciais a dois.

Alguns tópicos que são abordados nas palestras:

  • Como você avalia seu relacionamento atual? Você compõe uma dupla evolutiva, ou uma dupla estacionária?
  • Você se esconde à sombra de seu(sua) parceiro(a)?
  • Existem ganhos secundários na manutenção de seu relacionamento afetivo-sexual? Até quando? (Eu te “tolero” e você me “tolera”).
  • Quais são suas escolhas quanto à vida a dois? Você prefere “ficar”, namorar, casar-se ou constituir uma dupla evolutiva?
  • Você é o “pau da barraca” no relacionamento a dois? Qual é sua real responsabilidade nessa inter-relação?
  • É possível construir uma relação sadia tendo apenas o apelo sexual? O que é o apelo consciencial?

http://www.arace.com.br/newsite2/modules/wfchannel/index.php?pagenum=75

http://www.ceaec.org/Portuguese/Laboratories/EvolutionaryDuo.asp


Planejamento de Vida e Priorização na Prática da Invéxis e Recéxis

Publicado em: 14/03/2009
Autor: Portilho, Felipe
29 anos, empresário, voluntário da ASSINVÉXIS,
professor da Conscienciologia desde 2006 e de Invexologia desde 2007

Um dos princípios básicos da inversão existencial e da reciclagem existencial é o planejamento, replanejamento ou reperspectivação e a priorização das tarefas que o compõem. Ao mesmo tempo, entender a prática desses princípios não é algo simples, principalmente porque não somos educados, em geral, para planejar e priorizar diariamente e, além disso, conhecemos muito pouco sobre os nossos princípios, valores, deficiências, traços-força, nosso curso intermissivo e a dimensão de nossa responsabilidade como minipeça no processo interassistencial multidimensional.

O objetivo aqui é informar ao leitor o quanto é importante ter metas com processos bem calculados, ao mesmo tempo flexíveis, para se ter visão e controle maiores para onde se quer chegar, evitando dispersões e perdas indesejáveis ou não previstas ao longo da jornada.

Mas o que é planejamento e priorização? A primeira palavra é definida como o ato ferramenta administrativa, que possibilita perceber a realidade, avaliar os caminhos a serem traçados, construir um referencial futuro, estruturando o trâmite adequado e reavaliar todo o processo a que o planejamento se destina*. A segunda palavra é entendida como o instrumento fundamental para a organização da primeira palavra, pois se não se sabe a ordem de importância das nossas empreitadas jamais teremos eficácia nos resultados, pelo menos a curto e médio prazos.

Assim, antes de começarmos a planejar, precisamos saber a linha-mestra de nossa missão de vida, buscando-a com máxima sinceridade possível. Para conhecê-la, basta analisarmos os nossos princípios e valores sadios ou pró-evolutivos.
Princípios: que aspectos mais gerais e fundamentais pauto minhas decisões e escolhas? Quais são os fundamentos mais primordiais dos quais não abre mão ao decidir algo? É a ética, sobrevivência, autodesenvolvimento, respeito a si e ao próximo?
Valores: quais são os aspectos que mais dou importância na vida que sejam maduros do ponto de vista evolutivo? É assistência, dinheiro, convívio harmônico, leitura de livros, domínio das energias?

Liste os seus princípios e valores cosmoéticos e identifique o rumo-base que deve tomar a sua programação existencial.

O próximo passo é estabelecer metas coerentes com os dados já listados anteriormente. Para iniciar, crie metas de curto e médio prazos e, além disso, cite as metas intermediárias necessárias para atingir as principais.

Par alcançar tais metas será preciso ter a disposição suas ferramentas conscienciais, ciência das fraquezas, noção das oportunidades ou otimizações e das ameaças ou contra-fluxos, que eventualmente poderiam diminuir o ritmo do seu processo executório ou mesmo abortá-lo.

Dessa forma, fazer uma lista dos seus pontos fortes e fracos é o passo a seguir. Quanto mais virtudes e deficiências listadas, principalmente acompanhadas de fatos que comprovem a existência delas, mais você se conhecerá. Porém se você tem dificuldade para isso, peça para um amigo ou membro familiar para lhe auxiliar tarefa de listagem do trafores (traços-força, qualidades ou potenciais) e uma pessoa que pouco simpatiza com sua personalidade colocar os seus trafares (traços-fardos, fraquezas ou deficiências). Uma ferramenta avançada e técnica que pode ser utilizada para mapear esses pontos é o livro Conscienciograma de Waldo Vieira ou realizar os cursos da instituição Conscius, cuja sede se localiza em Foz do Iguaçú.

Analisar as otimizações que você já tem a seu dispor é outro aspecto de suma importância, como por exemplo uma situação financeira estável, tempo disponível, educação superior formal, holopensene de sua cidade a favor que contribua com a metas, dupla evolutiva, voluntariado em andamento, entre outros. Ao mesmo tempo, é importante também ter consciência das ameaças que podem pôr abaixo o seu trabalho, tais como comprometimentos irreversíveis, dívidas altas, instabilidade afetivo-sexual, mata-burros pessoais, assédios interconscienciais de função, etc.

Ao meio de tantas variáveis, o grande desafio é saber por onde começar e como conciliar tantos processos. O planejamento e a priorização aparecem exatamente como solução para organizar as idéias e como elas se desenvolverão na prática do dia-a-dia.

Para customizar o planejamento, é essencial a divisão dos setores de sua vida em escolaridade, profissão, organização financeira, relação afetivo-sexual, voluntariado, gestações conscienciais escritas, interassistência multidimensional (tenepes), entre outras áreas que decidir incluir. É importante também verificar se essas áreas tem relação umas com as outras e como elas se interligam.

Das divisões feitas, quais seriam as suas metas principais, as metas intermediárias, os trafores, os trafares, as oportunidades e as suas ameaças? Quais são os prazos para atingir tais metas? Eles são realmente coerentes com o seu fôlego? Caso positivo, eles são facilmente atingíveis ao ponto que gere comodismo e adiamentos ou eles geram um estresse excessivo em função da falta de recursos na execução?

O estabelecimento das prioridades tem relação com as etapas de um trabalho até o alcance das metas principais e com as necessidades pessoais ou do grupo evolutivo de trabalho consideradas urgentes ou não.

Alem disso, é também mandatório possuir estratégias de execução para efetivamente concretizar o que está planejado. Para cada meta, constitua tarefas práticas através de um check-list, aplicando a ele prazos, ferramentas de como é possível ser executá-la, além dos possíveis problemas que podem aparecer no caminho. Caso haja problemas, conforme previsto, qual seria a outra forma de não deixar de executar os seus objetivos, isto é, qual seria o plano B?

Recapitulando as etapas fundamentais para o desenvolvimento de um planejamento, temos abaixo:
1. Pesquisa princípios e valores pessoais.
2. Estabelecimento do rumo-base da proéxis – projeção de metas principais e intermediárias, de acordo com os setores de sua vida.
3. Identificação dos trafores, trafares, oportunidades e ameaças externas relacionados à execução de suas metas.
4. Confecção das estratégias de execução ou plano tático de suas metas. Qual seria o plano B para cada caso?

* A leitura de livros sobre Planejamento Estratégico ou Planejamento Empresarial poderia auxiliar imensamente na sistematização de um planejamento pessoal, uma vez que tais planejamentos lidam com inúmeras variáveis, assim como a consciência precisa gerenciar uma enorme série de aspectos para atingir o compléxis. Algumas publicações de Philip Kotler e Idalberto Chiavenato.

Bibliografia

1. CHIAVENATO, Idalberto; Empreendedorismo, Dando asas ao espírito empreendedor; Editora Saraiva, 2006.
2. OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças; Planejamento Estratégico, conceitos e metodologias práticas; 25ª. edição. Editora Atlas, 2008.

Laboratório da Proexis

Ambiente laboratorial preparado para o estudo da programação existencial (proéxis), em experimentos de 3h e 30min.

Considera-se na Conscienciologia que, antes de renascer, as consciências que já atingiram determinado patamar evolutivo passam por um curso intermissivo, em que elaboram o planejamento de sua próxima existência intrafísica, em conjunto com uma consciex mais evoluída denominada orientador evolutivo.

O Laboratório da Proéxis foi instalado para apoiar o processo de autoconscientização quanto a proéxis, avaliação do grau em que vem sendo realizada nesta existência e a reperspectivação da própria existência tendo em vista os objetivos da proéxis.

No laboratório existe um livro de apoio dividido em 13 seções, cada uma correspondendo a um tema relacionado ao estudo da proéxis, englobando textos, testes e planilhas de auto-avaliação e reperspectivação da própria existência.

Alguns temas básicos do laboratório são:

- condições antiproéxis
- retribuição pessoal aos recebimentos nesta existência, como fórmula para realizar um balanço da proéxis
- instrumentos para a realização da proéxis (tenepes, dupla evolutiva, auto-organização, EV, e outros)
- obrigações evolutivas pessoais cumpridas, não realizadas e a realizar
- metas e objetivos na existência

Durante o experimento pode ser aplicada a Técnica de Rememoração da Proéxis, mediante relaxamento e mobilização energética, objetivando o acesso a holomemória e a obtenção de retrocognições quanto ao período intermissivo.

- Você identifica algo que ainda tenha a realizar nesta vida?
- Como você se sente em relação à realização de sua proéxis? Mais satisfeito ou mais insatisfeito?
- Qual o nível do seu abertismo quanto ao tema “programação existencial”?
- Você sabia que existem maxiproéxis grupais?

fonte:
http://www.ceaec.org/Portuguese/Laboratories/ExistentialProgram.asp
http://www.arace.com.br/

sábado, 5 de setembro de 2009

Conscienciograma: Soma


INTRASSOMATICIDADE

01. Uma conscin doente, suicida lenta, sem atenuantes cosmoéticas nem justificações?
02. Qual a análise que você faz do seu biótipo? Qual a sua constituição física, a sua personalidade, o seu ser holossomático?
03. Quais as suas identificações com o novo soma? Você é destro, canhoto ou ambidestro? Como está a sua saúde? Em que nível e de que natureza são as suas doenças ou deficiências?
04. Na condição de homo humanus, como considera o seu soma um mecanismo de átomos ou prótese da consciência?
05. Quais as suas aplicações do soma, sadias ou doentias? Já passou por cirurgias úteis, inevitáveis, ou cirurgias dispensáveis?
06. Quais são as suas reações às três higienes, física, mental e consciencial, à indiferença, às autoflagelações, aos narcisismos e às deficiências físicas?
07. Que visual você mantém habitualmente: simples, comedido, áustero, displicente, enfeitado, requintado ou exagerado?
08. Quais os seus cuidados com o soma? São eles normais ou excessivos, com ou sem abusos conscientes ou inconscientes?
09. Você mantém a integridade autoconsciente do soma? Já abusou de mutilações, tóxicos, tatuagens, pinturas tóxicas, malhações, anabolizantes, dietas irracionais, bulimia ou excessos?
10. Quais as suas corrupções físicas perante os vívios, o tabagismo, as drogas, a gula, o sexo e os esportes radicais?
11. Como vive você com o seu organismo, os seus instintos, as suas autodefesas, as falhas mecânicas e os desvios humanos?
12. Qual a sua posição perante os conceitos de normalidade? Você se julga com superioridade ou com inferioridade física?
13. Como se vê na condição de conscin com o seu organismo: os órgãos, orgasmos, organização, organograma da vida e a proéxis? Você vive ativo fisicamente, tem vida sedentária ou é deficiente físico?
14. O que predomina em você: o ato de evoluir através do corpo-cérebro ou o ato de vegetar tão-só pela casa-corpo?
15. Como vive você perante o conflito dos seus anseios na condição de conscin? Como reage ao seu gênero morfológico de pessoa?
16. O subcérebro abdominal ainda domina você? Como reage você à plástica física? E perante o retrato enganador do ego, à vida, à ressoma, ao holossoma e à evolução?
17. Qual a idade da sua conscientização evolutiva quanto à existência intrafísica: por um curto período recente, já por várias décadas de uma vida média, ou por longa experiência?
18. Em uma escala de 1 a 5, qual o grau do seu discernimento prioritário? Você é racional, volitivo, emotivo ou intuitivo?
19. Você vive sob o jugo consciente ou sob o jugo inconsciente da vestimenta celular? Você julga portador de um macrossoma?
20. Uma conscin que emprega sempre o soma corretamente, com cosmoética, na vida intrafísica.


Extraído do Livro Conscienciograma, 1996, por Waldo Vieira (Folha de auto-avaliação nr.1).

Tenepes e as transmissões energéticas

Chacras. Ocorre constante aperfeiçoamento nas transmissões energéticas. Depois de vários anos, os exercícios diários, que não são sentidos como sacrifício, mas diariamente aguardados com alegria íntima, fazem o passista, homem ou mulher, perceber, no estado da vigília física ordinária, os chacras, especialmente 4 deles, ao mesmo tempo:

01. Sexochacra - O sexochacra latejante, como se o(a) praticante estivesse sentado sobre uma bola de fogo.

02. Umbilicochacra
- O umbilicochacra ou todo o abdome energizado para a frente.

03. Frontochacra - O frontochacra que parece pequeno mas poderoso aparelho incrustado na testa.

04. Coronochacra
- O coronochacra com a impressionante sensação de dissolução da cabeça.

Abordagens. Também os amparadores ou amparadoras trazem consciexes enfermas mais perturbadas e carentes (energívoras) para abordar o(a) praticante diretamente no estado da vigília física ordinária ou quando se projeta.

Resultados. Neste ponto, o rapport físico-extrafísico (afinidade, interação, empatia) se intensifica e os resultados das irradiações energéticas assistenciais melhoram.

Extras. Chegando o(a) praticante da tenepes a um grau elevado de afinização com a transmissora ou transmissor extrafísico titular, podem sobrevir exteriorizações energéticas extras ou emergenciais, ou seja, antes (principalmente) ou depois do período diário das transmissões, em momentos ou circunstâncias inesperadas.
Saúde. Tudo isso acontece sem forçar psíquica ou fisicamente o praticante, homem ou mulher, mas de modo agradável, enriquecedor e saudável - que jamais trará qualquer conotação assediadora ou prejudicial - objetivando o atendimento de consciexes enfermas em uma conjuntura emergencial.

Absorção. A absorção ou assimilação simpática, por afinidade, boa intenção e ascendência energética, de doenças, distúrbios ou afecções de certas pessoas-pacientes ou consciexes enfermas, pode ocorrer nas transmissões assistenciais da tenepes, seja de modo consciente ou insconsciente por parte de ambos, o(a) passista-absorvedor e o (a) paciente-absorvido.

Remissão.
A remissão definitiva dos sintomas e sinais do(a) paciente, após algum período de horas, dias ou até semanas nas transmissões energéticas, é que revela, em muito casos, a ocorrência da absorção simpática. Sempre que acontece, tal fato é desencadeado pelos próprios benfeitores extrafísicos, com bases nas possibilidades individuais maiores de descarte dos distúrbios pela condição de fortaleza energética por parte do(a) animista-sensitivo(a) transmissor(a) que, no entanto, pode identificar a absorção, ou não, assim que a mesma se instala dependendo do nível da sua autolucidez técnica dentro desses processos assistenciais.

Isca. A absorção simpática entre as consciências é o efeito mais avançado da condição de isca anímico-parapsíquica, fundamentada no estado de rapport, na existência das energias conscienciais e no fenômeno do acoplamento áurico. Não deve ser interpretada por episódio assediador, como entendemos o assédio patológico interconsciencial.
Continuum. Os hábitos assistenciais de exteriorização de energia podem conduzir a conscin à centralização ou fundamentação do ego, o mais elevado estado de equilíbrio que o ser humano consegue atingir. Neste ponto, quase sempre se instala o acoplamento do seu mentalsoma ao mentalsoma de uma consciex experiente, amparador ou amparadora, na serena condição do entrosamento do continuum de tomada de consciência.

Maturidade. Uma das utilidades das práticas da tenepes é a de ajudar a sanar os distúrbios do âmbito da parapatologia do psicossoma, dentre eles as seqüelas do restringimento físico da conscin que se tornou consciex recentemente. Por exemplo: a recuperação mais rápida da maturidade extrafísica para aquelas consciências que dessomaram em tenra idade ou na adolescência, ou seja, as crianças extrafísicas que merecem ou precisam voltar a ser consciencialmente adultas mais depressa. Nestes casos, as energias paratroposféricas da sensitivo(a) humano atuam de modo positivo e eficaz com possibilidade de rapport maior no desbloqueio e compesação das energias ainda muito humanas, animais, afins, remanescentes e vinculadas à consciex.

Tarefas. Nos objetivos mais elevados das práticas da tenepes, inclui-se, sem dúvida, o predomínio crescente da tares ou tarefa do esclarecimento sobre a tacon ou tarefa da consolação. Por aí se vê que há práticas da tenepes de maior ou menor qualidade, não apenas quanto a um só praticante, homem ou mulher, em diferentes períodos da vida, como também entre os êxitos interdimensionais de um praticante e outro.

Extraído do Tratado "Projeciologia", 1999 por Waldo Vieira.

Prática da Tenepes


Profissionais. O artista na ribalta, o orador na tribuna, o advogado na corte, o professor na cátedra e o sensitivo(a) no transe tem conhecimento da energia emanada da audiência viva. Daí nasceu a prática da sessão parapsíquica.

Sintonia. A sessão parapsíquica e assistencial do eu sozinho, aparentemente, é contrária ou vai de encontro ao preceito referido da energia em grupo. No entanto, não se pode esquecer que o(a) praticante da tenepes jamais está sozinho, pois somente atua em profunda sintonia com amparadores(as) extrafísicas e, excepcionalmente, até consciências intrafísicas projetadas e assistidas, quando funciona como terapeuta perante consciexes carentes, energívoras ou doentes parapsicóticos extrafísicos. O fato de ser um trabalho parapsíquico em que participa apenas uma consciência intrafísica, torna a fiscalização e as defesas energéticas mais eficazes e, sobretudo, mais fáceis de serem mantidas pelos amparadores(as).
União. Havendo sintonia de consciências, afinização de sentimentos elevados (empatia) e coesão nos objetivos, não importa se o percentual de consciências reunidas seja mais de conscins ou de consciexes. O que vale é a união que faz a força mental, ou mais apropriadamente, consciencial, o que representa a intensidade das energias mobilizadas com a intenção positiva.

Umbilical. Num estágio mais avançado, as práticas da tenepes podem ser extrafisicamente orientadas para efeitos físicos (ectoplásmicos), por exemplo, com estas 9 características de manifestação:

01. Posição - Emprego da posição corporal em decúbito dorsal.

02.Temperatura - Queda da temperatura corporal e ambiental.

03. Fenômenos - Fenômenos amenos de efeitos físicos.

04. Tronco - Exteriorização energética mais através do tronco e da cabeça, e menos através dos braços e mãos.

05. Frequência - Mudança da frequência cardiorrespiratória durante as transmissões energéticas.

06. Umbilicochacra - Predominância evidente da atuação do umbilicochacra nas transmissões energéticas.

07. Abdome - Sensação de puxamento para cima, através do abdome, a cada exteriorização energética.

08. Musculatura - Fortalecimento da musculatura abdominal.

09. Braços - Cessação da hipertrofia da musculatura dos braçoes e ombros.

Duração. A transmissão energética na tenepes, estando o(a) animista-sensitivo(a) sentado, e com o uso preponderante da cabeça, dos braços e das mãos - ou seja, com o predomínio da atuação dos chacras coronário, frontal e laríngeo - se faz com exercícios físicos maiores, mais rapidamente, e a sessão assistencial demora menos. A transmissão energética estando o(a) animista-sensitivo(a) deitado, e com o uso predominante da cabeça, do tórax e do abdome, ou seja, com todos os 7 chacras básicos em ação, se faz com exercícios físicos menos intensos, mais lentamente, e a sessão assistencial demora mais, ocorrendo efeitos ectoplásmicos com freqüência maior.

Práticos. Quanto à vida humana, os exercícios energéticos nas práticas da tenepes são extremamente práticos. Até a pessoa que pelos seus compromissos individuais, humanos, não pode exercer o parapsiquismo nem duas vezes por semana em um grupo de estudos especializados, pode praticá-lo todo dia, sozinha e sigilosamente, sem excessivas autocensuras, fora do horário comercial, na intimidade da sua casa, sem problemas de translado e de trânsito, nem a exigência das convenções, cerimônias e princípios sociais da existência humana da Socin, de maneira independente da presença e do julgamento de outros seres intrafísicos.

Presidiários. As práticas da tenepes, assim como as projeções conscientes, são especialmente indicadas para serem executadas pelos presidiários em geral que desejarem mudar para melhor (recéxis) o rumo do próprio destino, incapacitados que se acham de se deslocarem fisicamente pelas próprias circunstâncias humanas impostas por seu isolamento forçado.

Miologia. Quem pratica diariamente os exerícios assistenciais da tenepes, dando passividade a amparador ou amparadora, acaba tornando os músculos dos braços, ombros e do tórax, inclusive os músculos peitorais, mais volumosos e rígidos, aumentando, inclusive, o peso corporal em razão desses exercícios, depois de algum tempo, tendo em vista a movimentação física, motora e muscular de modo habitual e regular.

Pruridos. Um dos primeiros indícios da manifestação dos fenômenos de efeitos físicos, ou exteriorização indiscutível de ectoplasma, é o surgimento não habitual de pruridos nas muscosas nasais, ou seja, coceiras inoportunas no interior do nariz (fossas nasais). Tal fato sobrevém durante as práticas assistenciais da transmissão das energias na tenepes. Isso se deve, provavelmente, à saída inicial de ectoplasma através das mucosas.

Nudez. Partindo do princípio de que as práticas da tenepes se desenvolvem com você, na qualidade de praticante (homem ou mulher) sozinho e isolado e, desde que você observe a ausência de correntes de ar no local, a temperatura ambiente adequada, e a utilização correta no momento do aparelho de ar condicionado, a fim de não contrair um resfriado, você pode se apassivar parapsiquicamente para os amparadores(as) permanecendo inteiramente nu, e com naturalidade, pois estes, sendo de mentalidade evoluída, não se importam pessoalmente com este fato. Isto, no entanto, pode afetar as reações das consciexes (com paravisuais homens ou mulheres) que se despertam extrafisicamente em função dos mesmos exercícios de transmissões energéticas assistenciais, cujos microuniversos conscienciais ainda se encontram profundamente envolvidos pelos condicionamentos humanos (parapsicóticos pós-dessomáticos).


Extraído do Tratado "Projeciologia", 1999 por Waldo Vieira.

Observações práticas sobre a prática da tenepes

01. Advertência. A técnica da tenepes não é recomendável a quem nunca sentiu manifestações parapsíquicas marcantes, ostensivas ou aos principiantes quanto à parapercepciologia, ainda não desenvolvidos parapsiquicamente, e que não conseguem controlar suficientemente os processos do intercâmbio interconsciencial multidimensional.

02. Parapsiquismo. Somente deve exercer as exteriorizações diárias de energias, com horário marcado, o(a) sensitivo(a) mais ou menos desenvolvido, sem problemas de assédio interconsciencial de monta, inteiramente seguro do que faz, consciente da circulação fechada de energias, da recepção de energias e da transmissão de energias conscienciais.

03. Recesso. Na exteriorização assistencial de energias com horário diário e pré-fixado está o melhor processo para o(a) projetor(a) consciente veterano evitar o recesso prolongado na produção das suas projeções conscientes.

04. Ondas.
As transmissões energéticas se fazem por ondas de energia bem caracterizadas, percebidas pelo(a) sensitivo-projetor(a) em geral de forma intermitente (não contínua).

05. Holochacra.
Durante a exteriorização das energias, às vezes o corpo humano parece menor ou menos volumoso, devido à expansão do holochacra exteriorizado, caracterizando-se o fenômeno não patológico da automicroscopia.

06. Máquina.
Frequentemente, durante as transmissões energéticas, o(a) praticante parece ouvir o pulsar de imensa máquina, como se estivesse com o corpo unificado, ou seja, o todo de seus veículos conscienciais, acoplado a potentíssimo dínamo invisível, servindo de sensitivo(a) a intangível máquina extrafísica.

07. Lança-chamas. Durante a semipossessão benigna, o holochacra dos braços e das mãos parece um lança-chamas aspergindo, com aparente violência, as energias conscienciais para a frente através de descargas em ritmo acelerado e constante. As mãos podem parecer também inconstantes aspersores energéticos. Nessa oportunidade surgem imagens de força, inspiradas pelos amparadores, como, por exemplo: a criação inicial incandescente de um sistema solar; o mar de lavas vivas de um vulcão em erupção; a corrida de aço do alto forno de usina. Todo o processo aqui lembra o funcionamento de um centrifugador-consciencial-energético-interdimensional.

08. Entrosamento.
A primeira descarga energética, mais receptora para o conjunto sensitivo(a)-transmissor(a) extrafísico, do que doadora para a consciência receptora, estabelece o entrosamento parapsíquico.

09. Oitava. Em geral, uma descarga energética entre as 11 - a oitava, por exemplo - pode ser perceptivelmente mais intensa ou mais potente do que as demais.

10. Qualidade.
O tempo não representa fator importante nas descargas energéticas. Importa muito mais a qualidade e a potencialidade das energias transmitidas.

11. Intervalos. O breve intervalo entre uma transmissão energética e outra serve para refazer fisiologicamente a conscin transmissora, reajustar o entrosamento conscin-consciex, bem como substituir a consciência receptora à frente ou a distância, sempre que necessário. O(a) amparador(a), nesse período, em geral não perde o controle parapsíquico-mental-energético do processo. As sensações intensas do(a) praticante podem desaparecer nos intervalos entre um descarga energética e outra, permanecendo ele controlado pela consciex durante as transmissões e semipossuído benignamente nos intervalos.

12. Sincronizações. Os sons das vibrações rítmicas na cabeça, durante as descargas energéticas, são sincrônicos com os movimentos de aspersões dos braços e das mãos.

13. Assincronizações.
A interferência de assincronizações efêmeras entre os sons e as aspersões energéticas se deve à dificuldade do entrosamento ou ao desentrosamento entre a mente do sensitivo(a) e a consciência extrafísica transmissora.

14. Transmissores.
Os transmissores energéticos extrafísicos - consciexes com visual de homem ou mulher - podem se alternar, em serviço, numa só sessão assistencial, e o sensitivo(a)-projetor(a) perceberá o revezamento e as mudanças técnicas, característicamente individuais e inconfundíveis.

15. Intensidade.
Quanto mais intensas forem as transmissões energéticas, maior será o bem-estar do(a) praticante no período posterior às transmissões.

16. Ritmos.
Não raro, o ritmo intenso e, às vezes, variado das descargas energéticas, os movimentos físicos e as constrações musculares não alteram praticamente em nada o ritmo cardíaco do(a) praticante. Tal fato, por si só, constitui fenômeno subjetivo e concomitante à parte. A rigor, a freqüência - sempre perceptível - das transmissões energéticas do(a) praticante, não se subordina à sua vontade, nem mesmo aos seus batimentos cardíacos, nem mesmo à sua freqüência cardiorrespiratória, nem ao andamento dos segundos do relógio comum, nem a qualquer outra fonte senão às ordenações parapsíquicas ou motrizes do transmissor(a) extrafísico básico, não obstante todo o conjunto de transmissão parecer, não raro, estar acoplado a poderosos aparelhos extrafísicos e intangíveis. Podem ocorrer 4 a 5 ritmos de transmissão energética, bem diferentes uns dos outros, em uma só sessão de 10 transmissões básicas.

17. Aferição.
As práticas da tenepes mantêm uma cobertura extrafísica positiva à vida humana do projetor ou projetora consciente.

18. Cobertura. As práticas da tenepes mantêm uma cobertura extrafísica positiva à vida humana do projetor(a) consciente.

19. Idéias. O estado ou o período de tempo das práticas de transmissão na tenepes mostram-se altamente propícios às assimilações de idéias novas por parte do(a) praticante atento.

20. Consciência. O estado psicofísico do sensitivo(a) ou projetor(a) consciente, no desempenho das práticas da tenepes, pode ser comparado à uma condição de cosmoconsciência própria do estado da vigília física ordinária ou a uma pangrafia assistencial máxima.

Extraído do Tratado "Projeciologia", 1999 por Waldo Vieira.

Técnica da Tenepes


TENEPES - técnica energética pessoal ou a transmissão energética da conscin, homem ou mulher, comandada por uma consciex amparadora, no estado de vigília física ordinária, diretamente para consciexes, ou conscins projetadas, intangíveis e invisíveis à visão humana comum.

Nas práticas diárias da tenepes, você, na condição de sensitivo(a), sozinho(a), se acomoda em um leito, de preferência no escuro, relaxa, medita e dá passividade mental e muscular ao amparador(a) extrafísico. Sobrevêm a incorporação ou semi-incorporação para a transmissão das energias conscienciais assistenciais com você sentado ou de pé (ereto).

A assistência extrafísica anônima através das práticas da tenepes, dentro do horário da angústica humana, em um período breve compreendido entre 18 e 22 horas, deve ser diária, sem excluir os fins de semana que trazem a neurose de domingo à pessoa carente, fora da rotina diária, obrigada a se defrontar com a chatice e o vazio da sua vida.

Vale frisar que o horário das 18 horas é o mais freqüente, em todo o mundo, para os seres intrafísicos dessomarem, segundo as estatísticas existentes.

Depois da atuação incontroversa de outra inteligência sobre os seus veículos de manifestação - corpo humano, holochacra e psicossoma - podem ocorrer, pelo menos, estas 8 ocorrências:

01. Projeção consciente.
02. Vidências diversas.
03. Monólogo psicofônico.
04. Mudanças das posições físicas do soma.
05. Entorpecimento dos lábios e do rosto.
06. Sensação de ar frio, mais nas mãos.
07. Pulsações energéticas cerebrais.
08. Sensação de desmaterialização dos dedos e até das mãos.

Não raro as exteriorizações de energia podem dar a impressão de que o seu corpo humano torna-se enorme chama, língua de fogo de uns 3 metros de altura, quentíssima na periferia e de núcleo gelado, a crepitar para a frente e para cima, e a reverberar como se fosse um foco de luz, expandindo e contraindo em movimentos para fora e para dentro, alternadamente, sob força poderosa, inteligente e controlada.

Os sons das vibrações passam por sua cabeça e parecem sair através dos seus braços e mãos quais tambores batidos com inteligência ou a repetição cadenciada de mantra, palavra única não pronunciada mas escutada repetidamente, com aceleração menor ou maior.

Os movimentos sincrônicos, frenéticos, espasmódicos e aspersivos com os braços e as mãos durante a semipossessão benigna, visam à assistência a conscins e consciexes, através de 3 operações distintas, quase sempre interligadas:

01. Exteriorização
- exteriorização de energias imanentes-conscienciais.

02. Desmaterialização
- desmaterialização fugaz de partes do corpo humano do animista-sensitivo(a).

03. Ectoplasmia
- extração de seu ectoplasma, humano, exclusivamente para fins terapêuticos.

- Aspersores - os parabraços e as paramãos do psicossoma do(a) praticante, são verdadeiros aspersores energéticos, sob o comando real do(a) amparador(a), o transmissor energético básico.
- Ambiente - a temperatura ambiental abaixo de 20 graus Celsius ou centígrados facilita a prática ou intensifica as exteriorizações de energias assistenciais.

Para manter a sintonia, o equilíbrio e intensificar as operações durante o estado vibracional, nas grandes exteriorizações de energias, o amparador(a) instila a intuição que leva o animista-sensitivo(a), quando mais consciente, a refletir, inevitavelmente, em conceitos, à primeira vista díspares, porém relacionados por liames lógicos indiscutíveis, entre si, e o serviço a 3, semelhantes a estes: criador incriado, autogestão; Fênix; eternidade; infinito do passado; infinito do futuro; onipotência; implosão; enézima potência; moto-contínuo; buraco-negro; saco sem fundo.

As irradiações energéticas do início dos exercícios chegam a demorar até um hora. Com o passar do tempo vem o desenvolvimento diário e podem ser feitas 11 descargas em apenas 25 a 45 minutos de uma sessão individual da conscin.

Cada série de descargas energéticas correspondem a 50 contrações-transmissões no mínimo. Isso perfaz o total de 550 a 750 transmissões ao fim de cada período diário.

Em um estágio mais avançado, os amparadores transformam a base física do projetor ou projetora num ambulatório médico extrafísico, ou seja, em uma oficina de trabalho multidimensional ou ofiex, de socorro aos necessitados, desvalidos ou despossuídos intrafísicos e extrafísicos.

É sobejamente conhecido, em qualquer empreendimento humano, que a energia positiva, grupal, coletiva, ou seja, nascida de um grupo homogêneo e coeso de indivíduos, que apresentam senso de união e afinidade marcante quando reunidos, manifesta-se mais forte, intensa, vigorosa e curativa, beneficiando a maior número de consciências assistidas do que a energia individual, isolada ou derivada de uma consciência apenas.


Extraído do Tratado "Projeciologia", 1999 por Waldo Vieira.

Generalidades sobre as técnicas projetivas

Toda conscin, até mesmo quando esteja na agonia da morte biológica do soma (primeira dessoma), pode projetar temporariamente a consciência lúcida do corpo humano.

Em tese, não se conhece nenhuma exceção , ou seja, que haja alguma condição personalíssima que impeça definitivamente uma conscin de deixar o corpo humano incapacitado, mas vitalizado por uma existência vegetativa, temporariamente e, em seguida, voltar a ele.

A pessoa alheia ao assunto da projeção consciente e o projetor(a) novato enfrentam 4 dificuldades básicas para se projetar voluntariamente com lucidez:

01. Projeção - o processo, propriamente dito, de a consciência se projetar do corpo humano.
02. Lucidez - a obtenção é manutenção temporária da lucidez extrafísica.
03. Rememoração - a rememoração posterior dos fatos extrafísicos que vivenciou ou participou.
04. Relato - a tradução, em palavras, das sensações psicofísicas e extrafísicas, puras, nos diversos lances do período da projeção consciente.

O mecanismo de funcionamento de vários métodos aqui indicados pode ser explicado pela alteração da estrutura do holochacra ou das suas relações entre o corpo humano e o psicossoma.

A produção da projeção consciencial lúcida objetiva exatamente a mudar hábitos extratificados em toda a existência física da conscin, independentemente da sua idade e das características peculiares (trafores e trafares) à sua personalidade.

O desenvolvimento dos praticantes da projeção consciente não são iguais, pois há muitas diferenças entre os indivíduos e todos os resultados projetivos dependem, antes de tudo, exclusivamente da própria pessoa ou da sua individualidade.

Procurar técnicas que se afinizam e fazer o "treinamento" com perseverança. Seja qual for a técnica escolhida, ela deve tornar-se uma prática pessoal, sua, intransferível, consoante a sua personalidade, temperamento, estilo, microuniverso consciencial e desempenho próprio.

Todo o recurso, por mais exótico que seja, desde que inofensivo para a consciência, positivo para os fins, dentro da higiene física, mental e consciencial, pode e deve ser utilizado para produzir as projeções conscientes. Todo o esforço ou sacrifício neste sentido compensa a dedicação pessoal.

Adquirindo experiência, o projetor(a) estará num estágio que dispensa a dependência de "muletas" psicofísicas que usa para suprir suas deficiências no processo da projeção consciente.

O projetor interessado deve identificar o processo, metodologia ou procedimento ao qual melhor se adapte, entre as dezenas de métodos e coadjuvantes existente para se projetar com lucidez.

O mais importante não é você sair apenas do corpo humano, mas criar hábitos pessoais, os mais simples e fisiológicos possíveis, de se projetar, no sentido de alcançar gradativamente experimentos de alta qualidade com pleno domínio dos processos, pois o aprendizado extrafísico é árduo e infinito, pois nem mesmo cessa por ocasião da morte biológica do corpo humano.

Os exercícios projetivos, seja qual for a técnica escolhida e empregada por você, devem ser praticados em uma momento ou período de calma, em ambiente de paz, bem lentamente, com bastante atenção (concentração) e tempo disponível, em uma atmosfera (holopensene) adequada de isolamento.

Evite a execução automática e desconcentrada das técnicas. A prática regular dos exercícios projetivos, em horário específico, de preferência pela madrugada, produz resultados positivos menos demorados.

Todas as técnicas aqui analisadas são indicadas apenas para a pessoa de 15 anos de idade física em diante. Os menores de ambos os sexos, antes desta idade, devem aguardar chegar a este período existencial - quando já consolidaram como seres humanos as bases do sistema nervoso central - para começarem a praticar a projeção consciencial lúcida induzida pela impulsão da própria vontade.

Por outro lado, a projeção consciente quando surge espontaneamente, antes de o indivídio atingir esta idade, é inofensiva e, no caso, inevitável, imperiosa. Em razão disso, muitos jovens sofrem as consequências desastrosas da ignorância de muita gente quanto ao assunto, inclusive profissionais liberais, quanto à abordagens erradas, terapias desnecessárias e medicações incorretas em grande número.

Para quem deseja realmente produzir projeções conscienciais lúcidas, não deve tentar apenas uma vez, ou algumas poucas vezes o experimento, em certa época, empregando uma só técnica, e desistir do assunto para sempre, se porventura não o consegue.

A produção da projeção consciente depende de inúmeros fatores, inclusive dos componentes de natureza fisiológica do indivíduo, ra~zao pela qual você até mesmo trocando de técnica projetiva, se for o caso - deve fazer novos tentames de quando em quando, especialmente depois de mudar de hábitos básicos ou alterar rotinas existenciais por mais insignificantes que lhe possam parecer à primeira vista. Tais modificações podem predispor o surgimento do fenômeno consciencial, notadamente quando você jamais teve experiência consciencial lúcida antes.

Se há interesse na produção consciencial lúcida, prepare-se psicologicamente para aceitar as projeções conscienciais espontâneas desde já, pois isso pode ocorrer em qualquer oportunidade favorável daqui para a frente. O fenômeno projetivo é fisiológico ou parafisiológico, e, além disso, pode ser patrocinado por amparadores, evoluciólogos e Serenões.

Extraído do Tratado de Projeciologia, 1999 por Waldo Vieira.

Preparação para a Projeção Consciente

Ações físicas para a preparação projetiva, destaque para 11 procedimentos:

01. Higiene pessoal e do ambiente (limpeza).
02. Atendimento a urgências fisiológicas, por exemplo, esvaziar a bexiga, limpar as narinas com água morna.
03. Permanecer o(a) praticante em isolamento intrafísico.
04. Leitura especializada (ex.: "Projeções da Consciência" do autor Waldo Vieira).
05. Esprequiçamentos, suspiros, arrepios e bocejos (desintoxicação energética).
06. Chuveirada hidromagnética ou refrigerada aeromagnética.
07. Estado Vibracional (EV) ou exteriorização de energias (autopasses).
08. Monólogo psicofônico.
09. Sugestões gravadas.
10. Redução da heterogeneidade do ambiente físico-extrafísico (holopensene).
11. O ato de se evitar a ingestão excessiva de alimentos pesados, sólidos e líquidos.


Ações psicológicas, destaque para 10 procedimentos:

01. Estado íntimo de destemor e despreocupação.
02. Concentração mental.
03. Autodeterminação.
04. Auto-sugestões sadias.
05. Saturação da mente com a intenção de se projetar a partir do soma.
06. Chuveiro energético.
07. Sinalética energética e parapsíquica.
08. Falta pessoal de preparo.
09. Abordagens mentais hígidas ou patológicas.
10. Fenômenos parapsíquicos tais como: inspiração, vidência, psicofonia e efeitos físicos.

Observações:
. o processo de preparo para a sua consciência se projetar do seu corpo se assemelha inteiramente ao processo de você se preparar para ir dormir cada noite.
. evitar mudanças radicais abruptas dos padrões de seus hábitos ou no seu estilo de existência humana.
. a chuverada idromagnética é um tipo de desintoxicação energética executada como exteriorização de energia, comandada pela vontade ao se tomar banho de chuveiro, e funciona como se fosse tempestade hidromagnética localizada, individual, em uma espécie de profilaxia hidroterápica.
. a água deve estar em temperatura confortável, ela carreia os fluídos pesados e as formas-pensamentos ou morfopensenes densos, enxaguando a forma orgânica, atingindo o holochacra, incluindo a aura, o cordão de prara e o psicossoma.
. refrigerada aeromagnética é também um tipo de desintoxicação energética que pode ser executada por quem esteja habituado a conviver com o aparelho de ar condicionado, nos climas quentes, e que não porta qualquer tipo de alergia ao ar frio, capaz de gerar resfriado.
. condicionador, consiste a regrigerada aeromagnética na emissão de energia consciencial a 1 metro de distância, na frnete do condicionador de ar, de 1 HP, instalado em nível inferior e ligado na baixa refrigeração.
. tanto a chuveirada quanto a refrigerada, produzem efeitos físicos-extrafísicos positivos distintos, por exemplo, estes 7:
1. Percepções - preservam a qualidade das percepções do projetor(a) quando praticados antes da projeção pressentida ou iminente.
2. Coronochacra - dilatam a pulsação e o ritmo luminoso do núcleo, ou vórtice, e dos raios, gomos, pétalas, faixas ou lótus do coronochacra, de onde se originam.
3. Emissor - transformam o projetor(a) consciente em autêntico emissor ou transmissor de energia.
4. Sanidade - funcionam na manutenção da aura de saúde do praticante.
5. Autodefesa - criam e mantêm a chamada concha protetora (autodefesa energética).
6. Mentalsoma - expandem e aumentam pouco a pouco o tamanho, permanentemente, o mentalsoma, o que ajuda, sobremodo, nas projeções mentais avançadas.
7. Projetabilidade - Colaboram na ampliação do despertamento do coronochacra e, consequentemente, na ativação dos demais chacras, permitindo as projeções conscientes em série, no rumo da autoconsciência contínua noite e dia.

Extraído do Tratado "Projeções da Consciência", ano 1999, por Waldo Vieira.